quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Finger Food: Uma Tendência Para Qualquer Ocasião

O termo "finger food" vem do inglês "comida para comer com os dedos". Comer com as mãos é uma prática comum no mundo todo, como pode-se perceber com os populares pastéis e com o cachorro-quente. Porém, comer com as mãos sempre foi considerado pouco elegante em determinadas ocasiões, especialmente em festas e eventos mais pomposos. Atualmente, a prática de comer com as mãos ganhou um novo significado e aplicação na gastronomia e vem mudando os padrões de receitas utilizadas em eventos.
Simples, porém requintado (e saboroso!), o finger food já é um dos estilos de petiscos mais utilizados nas mais diversas comemorações. Os alimentos normalmente são servidos em palitos, copinhos, colheres ou em qualquer outro utensílio que se possa usar com criatividade. As receitas de finger food vão desde canapés até miniaturas de receitas mais elaboradas. Por ser prático e permitir que as pessoas comam em pé, o estilo teve uma ótima adaptação, o que explica a adesão que vem tendo nas festas e eventos da atualidade.
Servir finger food em uma comemoração traz diversas vantagens para quem opta por este estilo. É uma opção bastante econômica, já que reduz gastos e dispensa a preocupação com a louça utilizada, que deveria ser lavada antes e depois do evento. Além disso, servir pequenas porções dá liberdade de experimentação aos convidados, já que pode-se oferecer, em uma mesma refeição, vários sabores.
As receitas de finger food podem ser servidas tanto quentes, quanto frias, dependendo da preparação escolhida. Vale lembrar que uma boa escolha dos utensílios utilizados como "suporte" desse alimento auxilia de diversas formas na decoração da festa, tornando-a bonita, colorida e principalmente criativa.


quarta-feira, 10 de novembro de 2010

ÁRVORE DE NATAL, A TRADIÇÃO DO PINHEIRINHO


Um símbolo da vida, a árvore de natal é uma tradição muito mais antiga do que o Cristianismo e não é um costume exclusivo de nenhuma religião em particular. Muito antes da tradição de comemorar o Natal, os egípcios já levavam galhos de palmeiras para dentro de suas casas no dia mais curto do ano, em Dezembro, simbolizando A triunfo da vida sobre a morte.
Os romanos já enfeitavam suas casas com pinheiros durante a Saturnália, um festival de inverno em homenagem a Saturno, o deus da agricultura. Nesta época, religiosos também enfeitavam árvores de carvalho com maçãs douradas para as festividades do Solstício de Inverno.

A TRADIÇÃO DO PINHEIRINHO DE NATAL

A primeira referencia à árvore de natal como a conhecemos hoje data do século XVI. Em Strasbourg, Alemanha (hoje território francês), tanto famílias pobres quanto ricas decoravam pinheirinhos de natal com papéis coloridos, frutas e doces. A tradição espalhou-se, então, por toda a Europa e chegou aos Estados Unidos no início de 1800.
De lá pra cá, a popularidade da árvore de natal só cresceu. A lenda conta que o pinheiro foi escolhido como símbolo do natal por causa da sua forma triangular, que de acordo com a tradição cristã, representa a Santíssima Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

A ÁRVORE DE NATAL AO REDOR DO MUNDO

Na Europa, uma das tradições natalinas consiste em decorar um pinheiro com maçãs, doces e pequenos wafers brancos, representando a eucaristia. A Árvore do Paraíso, como é chamada, era o símbolo da festa de Adão e Eva, que acontecia no dia 24 de Dezembro, muito antes da tradição cristã do Natal. Hoje, a árvore não só representa o Paraíso como no início da tradição, mas também a salvação.

12 ORNAMENTOS DO NATAL

Segundo uma antiga tradição alemã, a decoração de uma árvore de natal deve incluir 12 ornamentos para garantir a felicidade de um lar:
Casa: proteção
Coelho: esperança
Xícara: hospitalidade
Pássaro: alegria
Rosa: afeição
Cesta de frutas: generosidade
Peixe: benção de Cristo
Pinha: fartura
Papai Noel: bondade
Cesta de flores: bons desejos
Coração: amor verdadeiro
Fonte: www.presentedenatal.com.br