sexta-feira, 24 de junho de 2011

Tradição de São João - Bolo de Fubá

Ai vai uma receita fácil e deliciosa para essa época de festas juninas.
Bolo de Fubá
Ingredientes
2 copos de fubá
1 copo de farinha de trigo
1 copo de óleo de milho
2 copos de leite
1 1/2 copo de açúcar
3 unidades de ovo
1 colheres (sopa) de fermento químico em pó



Modo de fazer

Pré aqueça o forno e mantenha em fogo médio.

Untar uma assadeira grande com buraco no meio, polvilhar com farinha de trigo.
Bater todos os líquidos no liquidificador.
Em uma tigela coloque a mistura batida com fubá, açúcar e farinha de trigo.
Por último acrescentar a colher de sopa de fermento.Coloque na assadeira untada.
Colocar no forno, assar em mais ou menos 20 minutos.

Pronto um delicioso bolo de fuba, e se você quiser pode adicionar 1 colher de erva doce para dar aquele toque especial.


quarta-feira, 22 de junho de 2011

Família..Amor..Alegrias e Sucesso!!!



Feliz com o novo momento profissional e o sempre procurado momento amoroso deixo uma mensagem de quando fiz o  Leader Training com a equipe do Núcleo Ser. Até hoje só tenho a agradecer minha família por acreditar e torcer pelo meu sucesso sempre.


"Um navio cargueiro estava parado no porto por um problema que as melhores empresas não conseguiam solucionar, e cada dia parado significava uma perda de milhares de dólares. Foi chamado então o único homem que poderia fazer funcionar o navio, mas que cobrava bem pelo seu serviço. Ele percorreu analisando todo o navio e parou num certo local. Tirou o martelo da valise e deu uma pequena martelada. O navio funcionou. O dono do navio, contente, perguntou o valor. O homem disse "10.000 dólares". Indignado, o dono exclamou: "Tudo isso por uma pequena martelada? Quero uma nota mais específica!". No dia seguinte ele recebe a nota. Valor da martelada: 1 dólar. Saber onde dá-la: 9.999,00 dólares."


Esse é o Leader Training oferecido para você pela equipe do Núcleo Ser, espero que gostem e refritam sobre o que esta escrito e se não conseguir aconselho procurar a galera do Nucleo Ser aqui: http://www.nucleoser.com.br/

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Eita Troço Bom - Quentão e Vinho Quente




História do Quentão
Ele é a típica bebida das festas juninas. E como as comemorações em homenagem a santos como Santo Antônio, São José e São Pedro se realizam por todo o Brasil no mês mais frio do ano, foi providencial que o quentão se tornasse um ícone. Seu poder de esquentar o corpo não tem uma origem comprovada, mas sabe-se que deve ter surgido no interior dos estados de São Paulo ou Minas Gerais, onde a população rural passou a misturar pinga com gengibre e especiarias e ferver tudo criando uma bebida não apenas ótima para aguentar o inverno, mas também para aguçar o paladar.

O quentão mais tradicional é feito com cachaça e adicionado de um pouco de água, açúcar, lascas de gengibre descascado, cravo-da-índia e canela em pau. A bebida, depois de fervida, espalha pelo ar o cheiro doce e ao mesmo tempo picante, atiçando os frequentadores de quermesses e festas juninas de todos os formatos. Exagerar no quentão, porém, não é boa ideia. Além do álcool que pode causar embriaguez rapidamente, existe a questão do alto valor calórico. Um modesto copinho de 60 ml de quentão tem nada menos que 120 calorias.


Existem variantes da bebida inventadas a cada festa que se realiza. Alguns preferem, por exemplo, adicionar à fervura do quentão lascas de limão e laranja, para dar um odor diferente. Outros se inspiram no preparo do vinho quente e fazem quentão do mesmo modo, acrescentando frutas sem casca picadas, como a maçã. O sabor da cachaça ainda se sobressai dessa forma, mas o quentão fica, digamos, saborizado de maçã.

Dicas de mestre
- Usar cachaça de qualidade baixa para fazer quentão é um erro. A qualidade da pinga influencia diretamente no resultado, escolher uma cachaça de boa origem, mais envelhecida, de alambique, pode fazer a diferença entre um quentão sem graça e um drinque memorável da festa junina;

- É importante seguir uma ordem na hora de preparar o quentão.

- É bom, também, usar um filtro de café ou funil com peneira, para separar os pedaços depois de pronto e servir apenas o líquido;

- A proporção entre água e cachaça deve ser observada. Senão o quentão fica tão forte que ninguém passa do primeiro gole. Ou pior: passa muito...ai vai a receita!!!!

Quentão


Ingredientes:

600ml de cachaça 
1 e 1/2 xícaras de açúcar 
2 paus de canela médios
2 limões médios cortados em rodelas
casca de uma laranja 
4 cravos-da-índia 
50 g de gengibre cortado em fatias
2 xícaras de água 


Modo de Preparo: 

Coloque o açúcar em uma panela funda. Leve ao fogo. Com cuidado, acrescente a água fervente, os cravos-da-índia, gengibre, canela, fatias de limão e casca da laranja. Ferva em fogo baixo por cerca de 10 minutos para que o caramelo dissolva. Acrescente a cachaça e ferva novamente por cinco minutos. Coe e sirva em pequenas canecas.

Agora se você prefere o vinho quente ai minha sugestão.


Vinho Quente


Ingredientes:
açúcar a gosto
casca de 1 laranja média
3 colheres (sopa) de suco de limão 
1 xícara (chá) de suco de laranja 
5 cravos-da-índia 
1 litro de vinho tinto seco 
2 pedaços de canela em pau 

Modo de Preparo:
Em uma panela grande, coloque o vinho, a casca e o suco de laranja, o suco de limão, a canela e os cravos e leve ao fogo. Assim que levantar fervura, acrescente o açúcar; deixe por mais 5 minutos e retire do fogo. Deixe o vinho quente descansar por 1 hora em um
recipiente tampado. No momento de servir, esquente-o novamente.


BOM ARRAIAL PARA VOCÊ!!!!


Fonte: iG Comidas

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Opção de Drink Para o Inverno

BullShot


Tomávamos muito esse drink em temporadas em Campos do Jordão e hoje é um dos meus favoritos para noites de frio!!
Ai vai a receita se delicie!!!

3/10 de Vodka
6/10 de Consommé (Caldo de Carne)
1/10 de Suco de Limão
Molho Inglês, Pimenta Tabasco, Sal e Pimenta do Reino a gosto.

Montar em copo Long Drink com gelo e servir!!!



Leituras Gastronômicas Parte 4



Bill Buford é adepto do que podemos chamar de "jornalismo participante". Para escrever o elogiadíssimo Entre os Vândalos, um retrato detalhado da violência dos hooligans ingleses, acompanhou esses torcedores fanáticos durante quatro anos. Para traçar o perfil do extravagante Mario Batali, um dos chefs mais famosos dos Estados Unidos, decidiu literalmente pôr a mão na massa e participar do universo da alta cozinha como simples auxiliar de cozinheiro. O resultado é Calor, em que narra basicamente duas histórias: a do gargantuesco Batali, capaz de entornar meia caixa de vinho durante um almoço, e as aventuras e desventuras do próprio Buford, um intelectual cinqüentão, como "escravo de cozinha", aprendendo, entre talhos nos dedos e queimaduras, a cortar cenouras em cubos milimetricamente iguais, grelhar costeletas de carneiro e peixes ao mesmo tempo, e fazer polenta para duzentas pessoas. De passagem, revela alguns segredos nem sempre confessáveis de um restaurante três estrelas (por exemplo, como fazer uma sopa de restos e cobrar 29 dólares por ela, ou como usar vinho barato em um prato supostamente sofisticado). Mas além de passar quase um ano na cozinha do Babbo, considerado um dos vinte melhores restaurantes americanos, subindo penosamente na sua hierarquia, Buford resolve refazer o trajeto da formação de Batali. Em pequenos burgos da Itália, ele aprende os segredos do macarrão artesanal e, por fim, vai trabalhar num açougue muito peculiar, em que o dono recita Dante e escuta Mozart enquanto serve gente que veio do mundo inteiro para conhecê-lo. No açougue, Buford se torna aprendiz do Maestro, um verdadeiro mestre zen da carniçaria, na arte de desossar porcos e vacas (Buford fica tão entusiasmado com suas novas habilidades que ao voltar para Nova York compra um porco inteiro e o leva na garupa de sua motoneta para casa). Entremeando casos engraçados, personagens fascinantes, curiosidades históricas e reflexões sobre o mundo da gastronomia, este livro satisfaz tanto aos leitores vorazes como àqueles que preferem saboreá-lo aos poucos. 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Época de Pinhão


O pinhão é a semente da árvore "Araucaria angustifolia", que já cobriu boa parte do território de Minas Gerais, Espirito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O pinhão é um excelente alimento.



Os pequenos animais que se alimentam do pinhão são responsáveis pela plantação dos pinherais. Da anta ao sabiá, da queixada à impressionante gralha azul, da vaca ao cavalo, todos gostam do pinhão. A gralha azul é capaz de "plantar" 3.000 pinheiros por hectare. Nos campos de vegetação rasteira formam-se capões de pinheiros graças a esta ave, que enterra os pinhões em lugares úmidos.


O pinhão tem cerca de 5 cms de comprimento, recoberto por uma casca lisa de cor castanha. A polpa é a parte comestível, muito dura se estiver crua, e deliciosa quando cozida. É formada basicamente de amido.

Cozido ou assado na brasa, não tenha pressa. Deixe o fogo atuar lentamente para que a casca se abra e libere todas as qualidades de aroma e sabor dessa maravilha da natureza. Essa é a maneira mais tradicional de se deliciar com o pinhão, mas essa semente da araucária também entra bem em receitas doces e salgadas.

Pinhão Cozido:

1 kg de pinhões escolhidos
1 litro de água
4 colheres (sopa) de sal

Como Preparar:

Lave muito bem os pinhões.
Coloque em uma panela de pressão a água e o sal.
Misture e acrescente os pinhões, tampe e leve ao fogo.
Tão logo consiga pressão na panela, abaixe o fogo e cozinhe por 40 minutos.
Desligue o fogo e aguarde abaixar a pressão da panela.
Escorra os pinhões e sirva como quiser, assado, molho vinagrete ou um quibe de pinhão na receita abaixo!!
QUIBE DE PINHÃO (4 pessoas) 




Ingredientes
350 gramas de pinhão
5 colheres de sopa cheias de trigo para quibe
1 cebola pequena
3 colheres de sopa de cottage em pasta balkis
¼ de maço de salsinha
3 colheres de sopa de azeite extra virgem
4 gotas de molho de pimenta tabasco
1 colher se sobremesa de manteiga
Sal (quanto baste)



Modo de Preparo:

Separe todos os ingredientes que vão participar da receita e comece por colocar o trigo de molho em bastante água. Se estiver com pressa coloque o trigo de molho em bastante água e depois, 10 minutos no microondas. 
Cozinhe o pinhão em panela de pressão até que fique bem macio. Descasque-os e bata no liquidificador na função pulsar para que fiquem totalmente esfarelados.
Enquanto o pinhão cozinha, corte a cebola em brunoise (lembra? Brunoise é o nome do corte que transforma aquilo que você vai cortar – a cebola – em cubos de 3 milímetros de lado). Reserve.
Lave e corte a salsinha o menor que conseguir.
Quando tiver o pinhão cozido e triturado, escorra o trigo e esprema-o bem com as mãos.
Junte todos os ingredientes: o pinhão, a salsinha, a cebola, o trigo, o azeite, a pasta de cottage Balkis, o sal e o molho de pimenta. Misture tudo muito bem até que fique uma massa homogênea.
Unte um refratário pequeno com azeite e coloque a massa do quibe. Faça cortes como na foto ou como quiser, entre os pedacinhos coloque manteiga na junção dos cortes para hidratar bem a massa durante o cozimento. Pense: quase tudo já está cozido. Na verdade, o quibe vai ao forno apenas para dourar e cozinhar a cebola. Então, asse sem ressecar em forno a 180 graus. Sirva quente ou frio e bom apetite!


(Receita criada exclusivamente para a Balkis pela chef Márcia Micheli.) 




quinta-feira, 2 de junho de 2011

São Paulo terá Virada Sustentável


Mais de 300 atividades culturais e educativas, ligadas aos temas da sustentabilidade, agitarão a capital paulista durante o final de semana do Dia Mundial do Meio Ambiente.

Com centenas de atrações espalhadas por mais de 60 espaços e parques da cidade, São Paulo receberá, nos dias 4 e 5 de junho, a primeira edição da Virada Sustentável, que tem o objetivo de ampliar a informação sobre sustentabilidade a partir de uma abordagem positiva para a população, usando a arte e a cultura como principais ferramentas de comunicação – e transformação.
Logo após a abertura, que ocorre no sábado às 8h com atividades de yoga e meditação nos parques, a capital paulista será tomada por diversas atrações, como exposições, filmes, oficinas, workshops, peças e shows de música, sempre com conteúdo ligado aos temas da sustentabilidade. Meio ambiente, biodiversidade, direitos humanos, mudanças climáticas, mobilidade urbana, lixo e qualidade de vida serão alguns dos temas das atividades. Todas as atrações são gratuitas. No primeiro dia, as atividades acontecem das 8h às 24h. No domingo, as atrações iniciam novamente às 8h e terminam às 20h.
Atividades
 Feira de Economia Solidária
Feira de economia solidária e bate-papo sobre temas da sustentabilidade, organizado pelo Espaço da Cultura de Consumo Responsável, que oferece acesso a produtos orgânicos da agricultura familiar, produtos de Economia Solidária com respeito aos cuidados ambientais e oficinas de educação para o consumo responsável.


Slow Food São Paulo - Oficina de Educação do Gosto

9h às 11h – no Espaço Cultural da AAO, junto à Feira do produtor Orgânico Explorar a percepção dos 5 sentidos e suas relações com o alimento. Enriquecer o vocabulário utilizado para descrever as sensações ao nomear aromas, sabores, texturas, temperaturas e os aspectos visuais dos alimentos.  



Programação completa no site http://www.viradasustentavel.com

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Encontro Slow Food no espaço Zym em São Paulo


O encontro foi no Espaço Zyn (http://www.zym.com.br), um espaço criado para que todos aqueles que buscam evolução cultural, pessoal ou espiritual.
ZYM é mais que um espaço, é um canal de comunicação que permite á você, através de processos terapêuticos ou artísticos, a livre escolha de caminhos na busca de sua realização.
Vendo o homem como um Ser Integral, visando harmonia entre mente, corpo e espírito.

Mais um novo produto entra para a Arca do Gosto que faz o catálogo mundial que identifica, localiza, descreve e divulga sabores quase esquecidos de produtos ameaçados de extinção, mas ainda vivos, com potenciais produtivos e comerciais reais. 

O objetivo é documentar produtos gastronômicos especiais, que estão em risco de desaparecer. Desde o início da iniciativa em 1996, mais de 900 produtos de dezenas de países foram integrados à Arca. Este catálogo constitui um recurso para todos os interessados em recuperar raças autóctones e aprender a verdadeira riqueza de alimentos que a terra oferece.


A Chefe Claudia Mattos que aos oito anos já mostrava completa autonomia na cozinha, dando conta do preparo de saborosos cardápios para toda a família. Acompanhava a mãe em aulas de culinária e, depois, em casa, esmerava-se na execução do que aprendera.


Com ela ficou o receptivo a todos que chegavam com sua produção, s
empre muita atenciosa com todos.



 Fotos: Sergio Gonçalves

Entre as novidades, o maracujá da caatinga, de casca e interior com coloração verde, possui paladar mais adocicado que o maracujá comum, amarelo. O jatobá, árvore nativa do cerrado, gera uma vagem cuja polpa é uma farinha. Essa farinha é usada em preparos que podem substituir a farinha de mandioca, por exemplo.

Mais havia muita coisa gostosa!!!


 Fotos: Sergio Gonçalves


Já o piracuí é uma farinha feita dos peixes acari e tamuatá, encontrados na região de Manaus. Em um forno, os peixes secam e são esmagados, dando origem a essa farinha, de sabor acentuado de peixe.

O piracuí é um alimento derivado do beneficiamento de peixes. As espécies mais utilizadas são o acari (Lipossarcus pardalis) e o tamuatá (Callichthys callichthys). Estas espécies vivem nos fundos dos rios, em especial de leitos rochosos, alimentando-se de lodo, vegetais e restos orgânicos. Na época em que os rios atingem o auge da seca - de agosto a outubro - grande quantidade deles fica presa no solo úmido não submerso, onde sobrevivem por poucos dias. Pelo fácil acesso à captura, são aproveitados para o preparo do piracuí.




O evento rendeu um reencontro com o querido Prof. Dr. Ricardo Maranhão - Coordenador do Centro de Pesquisas em Gastronomia Brasileira.


  Fotos: Sergio Gonçalves

E minha amigas  Chef Claudia Mattos e Chef Katiuscia Vasconcelos.

                                                          Fotos: Sergio Gonçalves

Esse encontro é organizado pelo convivia, convivia são a expressão local da filosofia Slow Food. Eles articulam relações com os produtores, fazem campanhas para proteger alimentos tradicionais, organizam degustações e palestras, encorajam os chefs a usar alimentos regionais, indicam produtores para participar em eventos internacionais e lutam para levar a educação do gosto às escolas. E, o mais importante: cultivam o gosto ao prazer e à qualidade de vida no dia-a-dia.

Os convivia são a espinha dorsal do Slow Food e eles se tornam possíveis somente pelo incansável trabalho dos associados que, voluntariamente, se dispõem a usar seu tempo e energia para realizar os ideais do Slow Food.

Bom essa foi minha primeira vez de muitos encontros desde grupo de associados e voluntários que acredita no alimento bom, limpo e justo.

Fontes:

domingo, 15 de maio de 2011

O Que Andamos Fazendo!!!

Olá pessoal sei que estou sumido mais por uma boa causa, cozinhar minha paixão.
Mais vou contar um pouco sobre os ultimos trabalhos feitos por mim no Studio E3 Fotografia e outro numa rede de fast food com conceito de alimetação saudável.

Foi um dia de descontração junto a chefes e equipe E3 Fotografia no Studio Gourmet Unilever e tivemos ótimos resultados nas fotos.
Fizemos as fotos do catalogo de receitas para a Unilever Foodsolutions Brasil.



Esse trabalho de Food Stylist me fez ver outro lado do alimento, alimento para dar vontade de comer e salivar, ao ver um prato tem que estar bonito.
Dai vem a questão de que tem que ser bonito antes de tudo e não gostoso para que o cliente entenda a qualidade daquilo.

Passei por um tempo prestando uma consultoria para uma rede de fast food na gestão e treinamento da equipe para uma nova loja.
Foi bem interessante pois quase todos os colaboradores estavam pela primeira vez dentro de uma cozinha profissional e alguns os olhos brilhavam cada vez que pisava dentro da cozinha.
Me orgulho muito ter passado por mais essa experiência e oportunidade para ensinar e aprender  com esse grupo.Obrigado Seletti.


Então é por tudo isso e muito mais estou passando e esperem por mais, um grande abraço para todos.
Até.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

ExpoVinis Brasil 2011




O mercado Brasileiro, aguarda ansiosamente o 15º Salão Internacional do Vinho – o ExpoVinis Brasil.
O maior encontro de vinhos da América Latina é um inegável catalisador do setor, fomentando e acelerando o contato entre produtores nacionais e internacionais com os players do mercado brasileiro e demais mercados mundiais.
Com a responsabilidade e compromisso de estimular um setor em crescimento, o ExpoVinis Brasilimprime muita sofisticação nas suas atividades e aposta na qualidade de seus expositores e visitantes, sendo muito marcante para todo o segmento especialmente para os profissionais e amantes do vinho, que podem, além de apreciar os melhores vinhos do mundo, conferir palestras e degustações com os principais especialistas do setor.
ExpoVinis Brasil é um agradável passeio pelas principais regiões vinícolas do planeta. Representatividade é um dos pontos fortes do evento. As novidades, aromas e sabores são trazidos por produtores das regiões mais tradicionais do Velho Mundo como a França, Espanha, Portugal e Itália, enquanto que o Novo Mundo está representado por potencias como Chile, Argentina, Austrália, África do Sul e Uruguai. Países não tradicionais como a Bolívia ou Sérvia também marcam presença noExpoVinis surpreendendo muitos dos visitantes com as características de seus vinhos.
U M A  R E F E R Ê N C I A  N O  M E R C A D O  D O  V I N H O
Número recorde de expositores, presença maciça da França e do Brasil, expositores ‘estreantes’ de regiões surpreendentes, presenças internacionais e degustações premium com temas atuais: estes foram alguns dos destaques da 14ª edição do ExpoVinis Brasil, que aconteceu em São Paulo entre os dias 27 e 29 de abril de 2010.
Os recordes resultam de uma das mais expressivas edições do evento, que colocou os 12.000 m² do Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte no mapa mundial do vinho. Mais de 16.500 visitantes nos visitaram e conferiram os destaques e novidades dos 300 expositores que levaram os sabores e aromas de várias partes do mundo ao maior salão de vinhos da América Latina. Pisaram também o tapete vermelho do ExpoVinis Brasil 2010 cerca de 300 jornalistas.
Os estreantes Bolívia, Sérvia e Grécia trouxeram seus aromas e sabores para harmonizarem com os terroirs da França, Brasil, Chile, Argentina, Itália, Portugal, Espanha, África do Sul e Nova Zelândia, entre outros países.
Destino obrigatório para quem trabalha ou aprecia um bom vinho, a feira a cada ano que passa fica mais representativa, o ExpoVinis Brasil é consolidada como uma verdadeira feira internacional de vinhos.
Há várias edições é possível encontrar rótulos de todas as regiões produtoras do mundo, milhares deles vindos de diferentes países fazem do ExpoVinis Brasil, o grande meeting do setor na América Latina. São três dias, onde é reunida uma amostra da produção mundial de vinhos e são apresentados aos principais compradores, que aguardam ansiosamente a cada edição por novidades.
Formadores de opinião e veículos de comunicação procuram se informar sobre o que de melhor e mais moderno está sendo feito no mundo dos vinhos.
Já de olho na safra de 2011, o ExpoVinis Brasil se prepara para receber os rótulos mais aguardados para o próximo ano no Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte, nos dias 2627 e 28 de Abril de2011.
O Charme e sofisticação, novidades e sabores, são características indissociáveis do ExpoVinis Brasil. A edição de 2010 confirmou o forte potencial e sólido crescimento que o mercado do vinho está atravessando no Brasil. Com índices de crescimento muito positivos o 14º ExpoVinis Brasilregistrou uma participação estrangeira sem igual. Cada vez mais e maiores, os expositores estrangeiros procuram destacar-se no mercado brasileiro enquanto os distribuidores nacionais buscam representar os rótulos mais desejados.